O Diário Pale Ale – Dia 9, Segunda-Feira, de novo!

Amigos, finalmente a Pale Ale seguiu seu destino rumo ao refrigerador, após 9 dias a temperatura ambiente, uma geladeira problemática e, esperamos, vários graus de atenuação.  Nessa etapa, em seu repouso até domingo quando a envasaremos, grande parte das leveduras e demais materiais particulados vão precipitar. Também nesta etapa diversos metabólitos intermediários serão consumidos pelas leveduras restantes em solução, o que as dará uma sobre vida. A diminuição desses intermediários “arredondarão” os aromas e sabores da cerveja e permitirá uma boa condição de maturação na garrafa. Os aromas do lúpulo ficarão mais evidentes, assim como o malte poderá ser notado sem tanta interferência de ésteres frutados da fermentação e aquele aroma de fermento.

O bacana de tudo isso é que quando fazíamos cerveja em casa, adotamos esse procedimento relativamente tarde (de colocar a cerveja na geladeira), depois que eu adquiri o livro do Dave Miller. A melhora da cerveja é absurdamente incrível, então reservem,  entre a couve-flor e o pote de requeijão, um espaço para o tanque de fermentação. As leveduras não morrem com o processo e no mesmo livro diz que em até 10 dias dentro do refrigerador ainda há célula o suficiente em suspensão para carbonatar a cerveja na garrafa. Cerveja translúcida = moral com os amigos.

Cabe ressaltar também que se por um motivo qualquer você não conseguir colocar o fermentador na geladeira, a cerveja ainda ficará bacana, tomamos por um bom tempo cerveja desse jeito e nunca nenhuma garrafa foi para a pia.

A refrigeração é bem importante nas Lagers e não se cogita fazer Lager sem algum sistema de controle de temperatura. Nas cervejarias comerciais toda a fermentação e maturação, de Ales ou Lagers têm a temperatura rigorosamente controlada, o que aumenta a reprodutibilidade das receitas. Normalmente em casa quem manda é o clima. A temperatura dentro de um tanque em plena fermentação é vários graus superior a temperatura ambiente, o que favorece a formação de esteres frutados, uma verdadeira tragédia em muitos estilos de cerveja.

Um abraço e até o próximo post!

Nossa cria na geladeira. Essa faixa branca embaixo vai crescer com o acúmulo de fermento ali.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: